Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

VIDA DE LUXO E RIQUEZA – Advogados do padre Egídio recorrem à Justiça e alegam problemas psiquiátricos e pedem acompanhamento médico ao religioso na cadeia

A justificativa é de que Egídio faz tratamento psiquiátrico e usa medicamentos controlados

Advogados que fazem a defesa do padre Egídio de Carvalho, ex-diretor presidente do Hospital Padre Zé, entraram com um novo pedido que poderá ajudar a restaurar a sua liberdade. A nova tentativa pede acompanhamento psiquiátrico de forma remota para o religioso, que está atualmente preso.

Os advogados juntaram ao processo do padre Egídio o pedido para que psicólogos e psiquiatras sejam nomeados como assistentes técnicos e que estes possam atender ao religioso de forma remota. A justificativa da defesa para o pedido é de que o padre Egídio está em tratamento psiquiátrico e faz uso de medicamentos prescritos, necessitando de acompanhamento médico.

Ainda de acordo com a defesa, o quadro de profissionais indicados poderá avaliar a saúde mental do padre Egídio. Os profissionais podem, inclusive, avaliar o estado de saúde do padre Egídio diante do encarceramento.

LEIA TAMBÉM:

SAÚDE DE FERRO – Padre Egídio Madruga, em cela individual tem saúde pra dar e vender

OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL – Em João Pessoa, Cabedelo e Bayeux cumpre mandados de prisão

O pedido foi protocolado nesta terça-feira (21) na 4ª Vara Criminal de João Pessoa, que é o órgão julgador de origem do processo. A nova ação foi impetrada pela banca de advogados de Recife encabeçada por José Rawlinson Ferraz, do escritório RFerraz Advogados Associados.

Também nesta terça-feira (21), o advogado Sheyner Asfora anunciou que deixou a defesa do padre Egídio. Ele declarou, através de nota, que sua saída do caso aconteceu por “incompatibilidade de estilo com relação a atuação adotada pelos colegas advogados que continuarão no patrocínio dos interesses do até então constituinte”.

Padre Egídio está preso em João Pessoa desde a última sexta-feira (17) após determinação do desembargador Ricardo Vital, do Tribunal de Justiça da Paraíba que atendeu recurso do Ministério Público no âmbito da Operação Indignus. Ele está recolhido em cela do Presídio Especial do Valentina Figueiredo, em João Pessoa. Além do padre, também foram detidas Amanda Duarte e Jannyne Dantas, que ocupavam altos cargos na diretoria do Hospital Padre Zé e são apontadas como auxiliares das práticas irregulares investigadas.

O padre Egídio é investigado por acusação de desvios de recursos públicos e doações que deveriam ter sido destinadas ao Hospital Padre Zé.

Com ClickPb

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *