Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

ESTRATÉGIA – Ricardo Coutinho prefere ser julgado pelo TRE e quer processos da Calvário longe do TJ

O relator ministro Floriano de Azevêdo entendeu que a denúncia apontada pelo Ministério Público da Paraíba demonstra relações nas acusações contra crimes eleitorais

A defesa do ex-governador Ricardo Coutinho espera que todos os processos relacionados à Operação Calvário sejam julgados pela Justiça Eleitoral. Nesta quinta-feira (30), o Tribunal Superior Eleitoral -TSE decidiu que a principal ação contra o ex-gestor na operação seja julgada no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) e não no Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB).

Igor Suassuna, que atua na defesa do ex- Governador, disse que a decisão de hoje já aponta qual o direcionamento da competência no julgamento dos processos.

“Eu acho que o julgamento que ocorreu hoje já deixou bem claro que tanto o processo principal como os incidentes relacionados à Operação Calvário devem ser emitidos para a Justiça Eleitoral. Vamos aguardar a publicação da decisão para dirimir qualquer dúvida que eventualmente esteja pairando mas, no nosso entendimento, não só esse, mais como todos os demais processos devem ser encaminhados para a Justiça Eleitoral”, destacou.

LEIA TAMBÉM:

Estado divulga calendário de pagamento do 13º e salários de novembro e dezembro

PAPAI NOEL MAIS CEDO – Operação Integrada desmantela organizações criminosas. São 18 mandados em Bayeux e João Pessoa

AÇÃO DE COMBATE – Federal, Militar e Civil nas ruas de Cabedelo em operação contra facções criminosas. Mandados de prisão são cumpridos

Ao analisar o processo, o relator ministro Floriano de Azevêdo entendeu que a denúncia apontada pelo Ministério Público da Paraíba demonstra relações nas acusações contra crimes eleitorais. Portanto, segundo o magistrado, o julgamento deve ocorrer no TRE-PB. Ele foi seguido por unanimidade pelos demais membros da Corte.

Ricardo Coutinho e outros réus são acusados de formação de organização criminosa com a finalidade de desvio de recursos públicos através de contratos com Organizações Sociais (OS) enquanto foi governador da Paraíba.

Com MaisPb

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *