Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

CASO HONORINA OLIVEIRA DESVENDADO Filho ‘Frio, calculista e cheio de ódio’: Ele matou a mãe na Paraíba

De acordo com o delegado, a versão do menor foi desconstruída após uma investigação minuciosa da polícia

O adolescente e filho de Honorina Oliveira, professora encontrada morta em um açude no interior da Paraíba em novembro de 2022, demonstrou frieza durante as investigações sobre a morte da mãe e não teria demonstrado arrependimento durante os depoimentos à polícia. A afirmação foi feita pelo delegado Iasley Almeida nesta quinta-feira (25).

O menor, como disse o delegado, já tinha sido ouvido outras vezes anteriormente e, apesar da personalidade calculista, teria apresentado algumas contradições. Em um dos depoimentos, ele chegou a apontar o pai como autor do crime. Antônio Abrantes, policial militar, foi preso em março deste ano suspeito da ação em Cuité, município que fica a 233 km da capital João Pessoa e a menos de 10km de Jaçanã, no Rio Grande do Norte.

“Em todas as vezes [que foi ouvido] se mostrou muito tranquilo, muito frio, mas nessas oitivas sempre se apresentou algumas discordâncias, algumas contradições. A Polícia já sabia que toda ação criminosa teria partido do núcleo familiar. Outras hipóteses haviam sido descartadas. No último depoimento dele antes da prisão ele acabou apontando o pai como provável autor do crime. Foi o que levou a representação da prisão temporária do pai para que continuasse as investigações”, afirmou.

Iasley disse que, durante a fase de investigações, o adolescente relatou que a mãe teria saído de casa no carro para encontrar com o pai para terminar o relacionamento. Ele teria apresentado argumentos de que ela estaria insatisfeita e que não aguentava mais o companheiro.

De acordo com o delegado, a versão do menor foi desconstruída após uma investigação minuciosa da polícia, que reuniu imagens de circuitos de segurança de residências e estabelecimentos nas proximidades, que identificaram a presença do filho e da namorada dentro do carro com Honorina.

“Segundo o adolescente ele não aguentava mais. Foi uma história de cobertura que ele criou para se sobressair e a investigação não cair sobre ele. Não foi a prisão do pai que fez a polícia parar de investigar. Existem algumas perguntas que precisam ser respondidas. Fizemos análises de dados telemáticos, dos dados telefônicos, análise das filmagens por circuitos de câmeras por casas que circundam a residência da Honorina, também de estabelecimentos comerciais e diversos pontos de onde o carro dela passou no dia do desaparecimento. Se mostrou claramente a presença do filho junto com a namorada em todo o período, antes, durante e até o retorno deles à residência da vítima. Após a captura eles de forma muito fria, tanto o adolescente como a namorada, que é maior de idade, 18 anos, reportaram como praticaram a asfixia, sem chance de defesa. Pegaram ela por trás enquanto ela estava no computador trabalhando. Em seguida, botaram ela no carro, levaram para o açude, e tentaram esconder o corpo. O plano foi tão bem arquitetado que eles assistiram uma forma de não submergir. No processo de decomposição o cadáver passa por uma fase gasosa. Deram um golpe na barriga dela para evitar que ela submergisse. Levaram todos documentos pessoais, roupas, para que a história fosse que ela fugiu de casa com um amante e que não iria voltar”, completou.

Outras reações também chamaram a atenção da policia. Durante o momento da detenção o filho da professora teria comentado dentro da viatura da Polícia, em tom de provocação, que foi um ‘crime quase perfeito’.

LEIA TAMBÉM:

VENDAVAL> Ex- Presidente de Câmara de Vereadores não contabilizou repasses do município e vai devolver 300 mil

É BOMBA!> Veneziano é o nome do MDB para integrar a CPMI dos Atos Antidemocráticos

Em depoimento oficial, o adolescente de 17 anos admitiu o crime e relatou à polícia que a motivação foi um ódio que ele nutria pela mãe.

O caso
A professora Honorina de Oliveira Costa, de 43 anos, estava desaparecida desde o dia 2 de novembro de 2023. O corpo da vítima foi encontrado três dias aoós num açude de Cuité, após uma pessoa que passava pelo local vê-lo boiando e chamar a polícia.

Ao resgatar o corpo, a polícia percebeu que ela foi executada com violência e que havia um golpe de faca na região do abdômen. No local, não foram encontrados vestígios de sangue e nem mesmo outros indícios.

À época, o marido da professora, Antônio Abrantes, Policial Militar foi o responsável por fazer o reconhecimento do corpo da mulher.

Com MaisPb

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

4 respostas

  1. Wow, fantastic weblog layout! How long have you ever been blogging for?
    you made running a blog glance easy. The entire glance of your web site is excellent, as neatly as the
    content! You can see similar: e-commerce and here sklep online

  2. It’s very effortless to find out any topic on web as
    compared to books, as I found this paragraph at this site.
    I saw similar here: dobry sklep and also here: dobry sklep

  3. I truly love your site.. Great colors & theme. Did you build this website yourself?
    Please reply back as I’m wanting to create my own site and would like to find out where you got this from or what
    the theme is named. Thank you! I saw similar here: Ecommerce

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *